quarta-feira, 19 de abril de 2017

Tempo e táctica - um (des)equilíbrio político


2 comentários:

Anónimo disse...

Não há instruções mas já fiz a minha aposta de quem será o vencedor, neste "profissionais calejados contra amadores em pânico".

A propósito.
Permissa: Será difícil mas, Madame Le Pen ganha.
Permissa: Esta União Europeia desfeita.
Permissa: Desfeito o BCE.
Permissa: Por desaparecimento da entidade credora as associadas dívidas (portuguesa, grega ...) deixa de existir, por evaporação do credor.
Conclusão: Le Pen PR, dívida reformulada. As esquerdas (e as direitas) deveriam torcer Le Pen. JS

LV disse...

Caro JS,

Já equacionei parte das premissas que enumerou.
Mas receio que serão outras as premissas "marteladas" no código que norteia esta Narrativa.
Pequeníssima centelha das forças em jogo aqui são as declarações de uma especialista em assuntos europeus Isabel Meireles (cito de memória e a formulação poderá variar um pouco): "O projecto de Le Pen para uma França ariana..." e aqui gelei.
O jogo de manipulação emocional está ao rubro. E é demasiado perigoso.

Mais à frente, julgo que serão as condicionantes económicas e financeiras a forçar a mão de quem estiver a liderar.

O seu comentário ilustra muito bem um ponto que ninguém, nas rotativas do Ministério da Verdade, analisa com o cuidado que merece: há tantos pontos do programa (e das consequências de políticas) que aproximam Le Pen e os partidos que suportam o governo por cá! E, seguramente, muitos mais haverá por essa europa fora que têm no seu programa as mesmas decisões. Relativismo, pelos vistos, aceitável.

Saudações,
LV