quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Citação do dia (173)

"O crescimento da bolsa de ouro de Xangai (SGE) para se tornar a maior plataforma de transacção física de Ouro do mundo, fornece provas convincentes de que o futuro para o ouro é estritamente físico.
Acompanhando a mudança dos mercados do Ocidente para Oriente, a expansão de fortes plataformas de transacção de ouro na Ásia trará uma melhoria nas condições de descoberta dos preços, da liquidez, da transparência e eficiência do próprio mercado; estas melhorias transformarão a paisagem do mercado global do ouro.
Como elemento importante que é a China assumirá, com justiça, o seu lugar no mercado mundial do ouro."

Aram Shishmanian, (CEO World Gold Council) após a abertura da negociação internacional na SGEI

5 comentários:

Antonio Cristovao disse...

Presumo que neste como em muitos outros sectores bancarios, economicos...a China está a caminho de tomar o lugar cimeiro no mercado mundial.
Sozinha tem mais TGV que o resto do mundo junto; seria util que os media fizessem mais que retansmitir o que as agencias anglosaxonicas preparam.

LV disse...

Caro António Cristóvão,

Tem toda a razão. Por muito que por aqui, arrisco, se considere que a China não seja um modelo de virtudes, é inegável a influência que a China vai ganhando. E a China, apesar dos erros cometidos (só em crédito mal-parado fazem sombra ao que se passa por cá), está também a apostar nos antídotos correctos para os males que possui.
Tenha presente o seguinte: na semana de 8 a 12 deste mês no mercado chinês foram transaccionadas 41 toneladas! De ouro físico. Levantado dos cofres e guardado por privados. Os números para este ano já vão em 1331 toneladas de ouro transaccionado. Este ritmo e esta magnitude ultrapassam tudo o que se passa aqui pelo Ocidente.

Confesso que receio pelo desfecho deste filme.

Saudações,
LV

JS disse...

LV. Escreve: "...Confesso que receio pelo desfecho deste filme."
Sim, uma frase corajosa, um conceito a considerar.

A Muralha desta vez não serviu nem para conter os invasores (bábaros), nem está a refrear a necessidade(?) vontade(?) de expansão ....

LV disse...

Caro JS,

Não creio que a China tenha impulsos de expansão.
As suas manobras evidenciam uma preocupação de salvaguardar que, pelo exterior, se vão preparando e defendendo "fontes amigas" de recursos que a economia chinesa precisa para progredir.
Aí sim, o esforço é evidente. Até pela projecção de força que isso exige - há dias, segundo o ZH, um navio da marinha chinesa atracou no Irão, próximo do estreito de Ormuz. Sabemos o que passa nesse estreito?
Entendo as manobras no mar da China do mesmo modo: garantir acesso a recursos.
É da falta de preparação que estamos a revelar, face a um conjunto de medidas que a China tem concretizado, que podem indiciar um declínio que teimamos não reconhecer.

Saudações,
LV

JS disse...

"... garantir acesso a recursos....", claro.
Aliás o que a Europa industrial, os EUs e o Japão há séculos andam a fazer ...

O problema é o gigantismo (incontrolável?) da China.
Dentro das várias Finanças, dentro do Partido (único), há forças permanentemente em conflito entre si ... dentro da Muralha e da WTO.

Marinha e Força Aérea, podem sair da Muralha, como já o demonstraram. O poder político conseguirá destinguir "garantir acesso a recuros" e "interesse vital"?. Controlar Almirantes e Generais?.

Lembremo-nos do Japão e da Europa na 2ª Guerra Mundial .... Saudações.