quinta-feira, 30 de abril de 2015

Greenwald: Obama, drones, propaganda e relativismo

Glenn Greenwald
Admito que o tema do artigo de Glenn Greenwald, que proponho na ocasião aos leitores do EI, possa ter aspectos delicados e me leve a incorrer num risco de (des)entendimentos que não são de todos os meus com os leitores. Apesar de por várias ocasiões ter manifestado o mais vivo repúdio (por exemplo, aqui) da componente da "guerra ao terror" por recurso a drones para executar as "listas de morte" (normalmente sem danos directos para os seus promotores, razão pelo crescente recurso que fazem deles para além de evitar as "boots on the ground"), não ignoro que as "nossas" mortes não são "iguais" às dos outros. Claro que não são. A proximidade familiar, comunitária, empresarial, clubística, regional, nacional, linguística, cultural, etc., são determinantes dessa desigualdade. Nada há de mal nisso, pelo contrário. Coisa diferente, porém, é tratar diferente o que é igual e, sem mais, disso fazer alarde ainda que pela via sinuosa da redefinição semântica ou pelo olímpico desprezo pelos obscenos danos "colaterais" tratando milhares de vítimas inocentes não com desdém mas com a borracha da memória instantânea. Haverá diferença, afinal, para os Untermenschen? Não vejo onde. É sobre isto que escreve Greenwald
24 de Abril de 2015
Por Glenn Greenwald


Em todos os anos que levo de escrita sobre as mortes provocadas pelos drones de Obama, foi ontem [23-04-2015] que aconteceu, de longe, a discussão crítica mais alargada nos círculos do jornalismo convencional. Esse facto sobre os drones, desde há muito suprimido mas crucial, foi na realidade anunciado no título principal na primeira página do The New York Times de ontem:

"Capa" do New York Times, versão online, de 23-04-2015

A razão para a anormalmente intensa cobertura, largamente crítica, das mortes de ontem provocadas pelos drones é óbvia: as vítimas deste ataque eram ocidentais e não-muçulmanas e, portanto, foram vistas como realmente humanas.

O advogado paquistanês Shahzad Akbar, que representa 150 vítimas de drones americanos e a quem foi por duas vezes negada entrada nos EUA para falar sobre elas, disse ao meu colega do Intercept Ryan Devereaux como dois dos seus clientes, duas crianças, provavelmente reagiriam ao pedido de "desculpas" de Obama de ontem:
"Hoje, se Nabila ou Zubair ou muitas das vítimas civis estiverem a ver na TV o presidente a mostrar-se tão pesaroso relativamente à morte de um ocidental, que mensagem estará ele a veicular?" A resposta, segundo ele, é: "Vós não tendes importância, sois filhos de um Deus menor, e só expressarei pesar aquando da morte de um ocidental."

O jornalista britânico-iemenita Abubakr Al-Shamahi colocou a questão de forma sucinta: "Fico furioso que as vítimas civis não ocidentais provocadas drones não tenham o mesmo reconhecimento do governo dos Estados Unidos." A jornalista independente Naheed Mustafa disse estar "incomensuravelmente irritada pelos ataques de drones terem matado ocidentais bons pelo que agora ficámos a saber que há problemas com as histórias dos drones". O jornalista Eugene Robinson do Washington Post observou esta manhã: "É demasiado fácil ignorar (...) a moralidade dúbia de todo o empreendimento - até ao momento em que as infelizes vítimas sejam ocidentais. Só então o "dano colateral" se transforma em notícia de destaque e numa ocasião para manifestar o pesar público."

Isto realça a mais tenebrosa táctica de propaganda da qual depende nuclearmente a Guerra ao Terror, aquela de que os media dos EUA são totalmente cúmplices: os americanos e ocidentais vítimas de violência de muçulmanos são chorados de forma interminável, enquanto as vítimas muçulmanas da violência americana e ocidental desaparecem por completo.

Quando há um ataque de um muçulmano a ocidentais, em Paris, Sydney, Ottawa, Fort Hood ou Boston, somos inundados de relatos indutores de dor pelas vítimas. Ficamos a conhecer os seus nomes e as suas extintas aspirações de vida, vemos as suas fotografias, ouvimos os familiares enlutados, assistimos às cerimónias de homenagem às suas vidas e ao lamentar das suas mortes, lançamos campanhas para perpetuar a sua memória. As vítimas do nosso lado não são apenas humanizadas pelos nossos meios de comunicação, são choradas publicamente como mártires.

Aconteceu estar no Canadá na semana do tiroteio no Parlamento em Ottawa, como de um ataque fortuito a dois soldados canadianos dias antes num parque de estacionamento no sul do Québec, e lá veio uma cobertura ininterrupta dos media relativamente às vítimas, às suas vidas e família:
Milhares de pessoas encheram completamente uma igreja e ruas adjacentes da cidade industrial de Hamilton, no Ontário, na terça-feira para o funeral do soldado morto a tiro no ataque da semana passada à sede do governo da nação. (...) O primeiro-ministro canadiano, Stephen Harper, disse aos presentes na igreja que [o cabo Nathan] Cirillo havia inspirado e unido os canadianos. Ele conteve as lágrimas numa rara exibição pública de emoção quando se dirigiu ao filho de cinco anos de idade de Cirillo.
Mas como fiz notar num discurso que proferi em Ottawa, dois dias após o tiroteio no parlamento, as vítimas da própria violência do Canadá - no Afeganistão e no Iraque - e da sua continuada cooperação com a campanha da Guerra ao Terror dos EUA, são completamente ignoradas. Enquanto todo o Canadá sabia o nome do cabo Nathan Cirillo, só a mais ínfima fracção dos canadianos conseguiria nomear sequer uma única das muitas vítimas inocentes mortas pelo seu próprio governo e pelos seus militares. Elas simplesmente não existem.

Este é o tribalismo tóxico que se repete uma e outra vez por todo o Ocidente. As vítimas ocidentais são choradas e humanizadas, enquanto as vítimas da violência ocidental são invisíveis e, consequentemente, desumanizadas. Para além de ser repugnante em si mesma, esta fórmula, por concepção, é profundamente enganadora enquanto propaganda: cria a impressão entre as populações ocidentais de que somos vítimas mas não autores de violência hedionda, que o terrorismo é algo de que somos alvo mas nunca promovemos; que apodar de "primitiva, radical e desumanamente violenta" descreve a tribo inimiga, mas não a nossa própria. (É a mesma táctica que explica por que tanto ouvimos falar dos jornalistas americanos detidos em países adversários, como o Irão e a Coreia do Norte, mas quase nada sobre os jornalistas muçulmanos encarcerados há anos sem acusação formal pelo governo dos Estados Unidos, assim criando deliberadamente a falsa impressão de que só naqueles Países Maus, mas não nós, se comete tal prática.)

Para se observar a forma sistemática como os EUA desumanizam os muçulmanos que são estrangeiros, bastará pensar-se na manchete acima do New York Times sobre os drones. O título completo é ainda mais descritivo:


Esta "verdade incómoda" há muito que é evidente. Com demasiada frequência, o governo dos EUA lança mísseis contra edifícios, veículos e casas situadas fora dos "campos de batalha" sem ter qualquer ideia de quem irá matar. Apesar deste facto - de que nem mesmo o próprio governo sabe quem é que está a matar - os media dos EUA, de forma rotineira e reflexiva, descrevem as vítimas de ataques de drones dos EUA como sendo de "militantes". Democratas e progressistas, que para sua desgraça eterna esmagadoramente apoiam o programa de assassinatos de Obama por recurso a drones, irão declarar que "estamos a matar os terroristas!" para justificar tudo isto muito embora a própria administração Obama, e muito menos ainda esses adeptos progressistas, não saibam quem é que o governo acabou de matar.

Como podem as pessoas assassinadas pelo governo dos EUA ser regularmente descritas como "militantes" ou "terroristas" quando ninguém tem qualquer ideia sobre quem elas são? Parte do problema advém do autoritarismo clássico: o meu governo diz que as pessoas que está a matar são Terroristas; por conseguinte, eles são Terroristas.

Mas a resposta mais profunda e preocupante é igualmente clara: os muçulmanos estrangeiros são tão desumanizadas, tão invisíveis, que são simplesmente igualados a Ameaças do Mal mesmo quando nada se sabe sobre eles. Com efeito, Obama redefiniu oficialmente o termo "combatente": "todos os homens em idade militar numa zona de ataque". Por outras palavras, como o The New York Times informava em 2011, todos os homens entre os 18 e (aproximadamente) 54 anos, mortos pelos drones dos EUA, são presumidos ser de combatentes - terroristas - "a menos que haja informação explícita que postumamente prove que eles eram inocentes." Esta é a mentalidade da desumanização limite.

Há tantas histórias hediondas de drones norte-americanos despedaçando crianças e adultos inocentes. Obama usou mísseis de cruzeiro e bombas de fragmentação para matar 14 crianças e 21 mulheres numa aldeia iemenita (semanas depois de ganhar o Prémio Nobel da Paz), enquanto um ataque de drones em 2012 atingiu uma caravana automóvel de um casamento iemenita e "matou 12 passageiros no veículo, incluindo três crianças e uma mulher grávida". Exceptuando aqueles que assistem a shows como Democracy Now ou a determinados programas da Al Jazeera, praticamente nenhum americano chegou a saber o nome de uma que fosse daquelas vítimas, ou mesmo a saber que elas existiram de todo.

Não deveria ser necessário que um cidadão americano morresse num ataque com drones para desencadear uma discussão nos media convencionais quanto ao grau de logro e imprudência que conduz a estas mortes. Mas é. E esse facto, só por si, deve provocar uma análise séria da mentalidade que subjaz a tudo isto.

2 comentários:

Antonio Cristovao disse...

Fez bem em trazer este tema. Ainda mais me desgosta ver como os dirigentes europeus que forma eleitos por quem deseja humanidade, não se manifeste sempre contra estes crimes perpetrados por gente que merece tanto respeito como o respeito que tèm pelos não anglosaxonicos. Bast ver que um holocausto segubdo poucos relatos muito maior que o da Alemanha -os kmerVermelhos, até mesmo agora no caso arménio é sistematicamente ignorado pelos media e "distridos" jornalistas. Um desgosto de moral.

luis barreiro disse...

Então se as vítimas forem cristãos de África ou Ásia, então é que não se vê notícia alguma