sábado, 31 de agosto de 2013

A mentira, a plasticidade da "prova" e a política do bombardeamento

Ontem, a Casa Branca fez divulgar um documento de 4 páginas onde foram apresentadas "provas" de que foi o regime de Assad quem levou a cabo a autoria do ataque químico no passado dia 21 de Agosto na Síria,nos arredores de Damasco. Este é o excerto relevante (tradução minha):
"Identificámos cem vídeos relativos ao ataque, muitos dos quais mostram um grande número de corpos que apresentam sinais físicos consistentes, ainda que não exclusivamente, com a exposição a agente de gás de nervos. Segundo o relato de vítimas, os sintomas incluíam perda de consciência, emissão de espuma pelo nariz e pela boca, pupilas contraídas, taquicardia e dificuldade em respirar. Vários dos vídeos mostram o que parecem ser numerosas vítimas mortais sem ferimentos visíveis, o que é consistente com a morte provocada por armas químicas, e inconsistente com a morte provocada por armas ligeiras, por munições de alto poder explosivo ou por agentes vesicantes. Há pelo menos 12 localizações distintas nos vídeos publicamente disponíveis, e uma amostragem desses vídeos confirmou que alguns deles foram filmados nas horas e locais descritos nas imagens. Consideramos que a oposição síria não tem a capacidade para forjar todos estes vídeos, bem como os sintomas físicos verificados por pessoal médico, ONGs e outras informações associadas a este ataque químico."
Temos assim que, nas palavras da própria administração americana, os EUA e a França (antiga potência colonial na zona, uma coincidência curiosa com o Vietname) do petit homme, outorgando-se a si próprios o direito de representação de uma "comunidade internacional" ainda mais exígua com a saída forçada de Cameron do elenco, estão prestes a bombardear a Síria e, com isso, a escalar um conflito para dimensões impossíveis de prever. Para isso, julgam suficientes 100 vídeos do YouTube ("publicamente disponíveis") pois, segundo a administração americana, os rebeldes (quais deles?) não teriam condições (técnicas? logísticas) para os forjar!! Nestas circunstâncias, não é de admirar que Vladimir Putin esteja a surgir como um improvável paladino da promoção da liberdade!!

Portanto, o futuro do Médio Oriente e, não é de excluir, mesmo o de todo o mundo, joga-se no YouTube e na (in)capacidade de produção e realização de vídeos. Extraordinário! Mas, se assim é, e já sem falar daquele onde se pode observar o esquartejamento de cadáveres dos oponentes para lhes comer as vísceras, por que não considerar estes outros que sugerem exactamente o envolvimento dos rebeldes e aliados dos EUA nesta história das armas químicas (para além dos democratíssimos sauditas e qataris)? Aliás, não seria a primeira vez que tal aconteceria este ano...

4 comentários:

José María Souza Costa disse...

CONVITE
Passei por aqui lendo, e, em visita ao seu blog.
Eu também tenho um, só que muito simples.
Estou lhe convidando a visitar-me, e, se possível seguirmos juntos por eles, e, com eles. Sempre gostei de escrever, expor as minhas idéias e compartilhar com as pessoas, independente da classe Social, do Credo Religioso, da Opção Sexual, ou, da Etnia.
Para mim, o que vai interessar é o nosso intercâmbio de idéias, e, de pensamentos.
Estou lá, no meu Espaço Simplório, esperando por você.
E, eu, já estou Seguindo o seu blog.
Força, Paz, Amizade e Alegria
Para você, um abraço do Brasil.
www.josemariacosta.com

Miguel Loureiro disse...

Para além dos vídeos mão mostrarem os autores dos bombardeamentos, logo no dia seguinte, especialistas (americanos) em armas químicas, repararam e anotaram que os médicos e enfermeiros não usavam qualquer proteção contra os químicos, o que lhes garantia que não seriam armas químicas, caso contrário também seriam afetados.
À parte pormenores das artes visuais, democraticamente apenas 9% dos americanos (cidadãos) está a favor da intervenção e 90% contra.
Depois disto ou antes de tudo, que tem os EUA e a França e seja lá quem for de se meterem onde não são chamados?
Há dias, dizia uma senhora síria: Não podemos morrer com armas químicas e podem matar-nos com as outras?
Critérios...
Assim, Obama derruba as diferenças entre Democratas e Republicanos, o que o compara a Bush, o que não é lisonjeiro...
Definitivamente, americano é americano, enquanto Deus é brasileiro...

JS disse...

E.F.. Exactamente.

Ver Kerry, que gerou fama por ser "pacifista", nos tempos do Vietnam, agora, no poder, a lecionar e a vociferar discurso pugnamte ... as voltas que o mundo dá.

Se o ridículo matasse teríamos uma classe política em permanente renovação.

Aprendiz disse...

Chocante a apresentação das provas. O Kerry argumenta que os rebeldes não teriam condições de forjar os vídeos (mesmo porque há testemunhos de atingidos). Bom, acho que ninguém estava perguntando pelos vídeos, a principal dúvida é sobre os autores, mas Kerry "esqueceu-se" de apresentar provas de que os "rebeldes" (estrangeiros filiados ou simpatizantes da Al Qaeda e da Irmandade Mulçumana)não teriam "condições" de executar o ataque. O que é evidentemente impossível de provar. Eles tem verbas quase irrestritas de três países ricos (Arábia, Catar e EUA), agentes químicos são relativamente baratos,ocupam pequeno volume, e a própria Arábia poderia fornecer, e os foguetes vetores para o ataque não necessitam de muita precisão.

A Arábia Saudita teve os meios, os motivos e a oportunidade para fornecer essas armas aos "rebeldes". Em que pese meu profundo desagrado pelo governo do Irã, não me parece que seja lícito qualquer meio para isola-lo, inclusive jogar milhões de civis sírios sob um "governo" jihadista insanamente assassino. E é isto que o quarteto fantástico (Arábia, Catar, EUA e França) estão fazendo.