sábado, 24 de setembro de 2011

Ordens profissionais e Corporações (2)

Vergonha? Nenhuma. A Corporação, como sempre, a tentar viver (confortavelmente) à custa do consumidor e/ou contribuinte via favor, quando não corrupção, estatal:
As farmácias portuguesas arrancam na segunda-feira com uma campanha para promover o uso racional da pílula do dia seguinte, numa altura em que os farmacêuticos se mostram preocupados com um eventual uso incorrecto da contracepção de emergência.

A Ordem dos Farmacêuticos defende, num documento sobre a campanha, que os contraceptivos orais de emergência deveriam integrar uma lista de medicamentos não sujeitos a receita mas que só pudessem ser vendidos em farmácias e não noutros locais de venda de remédios.

2 comentários:

Lura do Grilo disse...

A pílula do dia seguinte tem um perigo latente: pode causar ictus. Vender a granel talvez não seja a solução.

Eduardo F. disse...

Se assim é, não se compreende por que razão defende a OF a venda sem receita.