quinta-feira, 3 de maio de 2012

And now they are two and it ain't over yet

No Washington Post:
Newt Gingrich brings campaign to a close 
Ron Paul’s stealth state convention takeover

3 comentários:

Mendonça disse...

Imaginemos que o Ron Paul chegava efetivamente a presidente dos EUA. Será que ele conseguiria implementar a sua ideologia de liberdade económica? Iria ser demasiado acho eu, iria tentar mudar o mundo do avesso, as medidas tdas necessárias para tornar os EUA de novo num país liberal como foi pensado no início seriam demasiadas, e ainda para mais numa altura destas iria acarretar com uma recessão mto grande (q na verdade será inevitável na mesma), mas que seria aproveitada politicamente logo por tdos os keynesianistas.

Imagino q iria começar pouco a pouco claro, tal como se está aqui a fazer em Portugal, mas para o q ele realmente queria e no que acredita, tenho as minhas dúvidas q conseguisse. Tal com o Obama q queria fechar Guantanamo e acabar com a Guerra logo mal entrasse...

cumps
Pedro Mendonça

Eduardo F. disse...

Caro Pedro Mendonça,

Como todos sabemos existe uma diferença abissal entre as promessas dos políticos e as subsequentes acções umas vezes eleitos. E essa diferença reside essencialmente em dois aspectos, ainda que com muitas cambiantes: na fiscalidade ("não vamos subir impostos" ou, com ambiguidade propositada, "vamos tornar os impostos mais 'justos'") e na despesa pública ("vamos criar mais apoios e estímulos" ou "não vamos aumentar a despesa") ou, ainda, "vamos reduzir (?!) a despesa".

Creio, porém, que nunca ouvimos um político, numa democracia ocidental, a comprometer-se a, no primeiro ano de mandato, a reduzir o défice orçamental num milhão de milhão de dólares. Como? Reduzindo a despesa pública através da eliminação de cinco ministérios (Educação, Energia, Habitação e Desenvolvimento Urbano, Comércio e Interior); trazendo de volta as centenas de milhar de militares espalhados pelo mundo (30 anos após a guerra fria na Europa, 60 após a Guerra na Coreia, 75 anos após a derrota do Japão).

Relativamente ao banco central americano, o autor do "End the Fed" sabe que não pode decretar pura e simplesmente a sua extinção imediata. E afirmou-o publicamente. Convidou até Jim Grant para, caso ganhasse a presidência, proceder à liquidação da coisa (com os cuidados que se impõem) ao que Jim Grant respondeu positivamente.

Eduardo F. disse...

Uma adenda à nota anterior:

Ron Paul, que é membro da Câmara dos Representantes há décadas, sempre votou contra qualquer aumento de impostos, real ou encapotado (diminuição as deduções fiscais, por exemplo).