sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Espiando o presidente dos Estados Unidos

Num esclarecedor texto dotado do vigor usual do juíz Andrew P. Napolitano - Spying on the President -, passa-se em revista o que já se conhece do mega-escândalo da espionagem levada a cabo pela NSA. Este terá agora conhecido um pico (não digo zénite porque há ainda muito por conhecer) quando se concluiu que até o presidente dos EUA foi espiado pela própria NSA! (Não recordo que George Orwell ou Joseph Heller tenham chegado a tanto!) Napolitano proporciona-nos ainda uma perspectiva histórica da espiral vertiginosa em direcção ao Estado de Vigilância focando dois momentos notáveis da história americana: um mais recente - a "Guerra ao Terrorismo" lançada em sequência dos acontecimentos de Setembro de 2001 -, que justificaria o infame "Patriot Act" e um outro que nos leva a recuar 100 anos até à "Era Progressiva" em que, e por exemplo, foi criada legislação como o Sedition Act (em 1918) que serviu, para condenar (em 2013!) Chelsea (ex-Bradley) Manning.

Lamentando as limitações da minha tradução, aconselho vivamente a leitura do original.
Quando a chanceler alemã, Angela Merkel, comemorou a inauguração da nova embaixada dos EUA em Berlim, em 2008, ela não poderia imaginar que estava a abençoar o local de trabalho do maior e mais eficaz magote de espiões americanos fora dos EUA.

Andrew P. Napolitano
Isto parece saído de um filme de série B, mas é o que tem acontecido nos últimos 11 anos: a NSA tem vindo a usar Merkel para espiar o presidente dos Estados Unidos. Sabemos agora que a NSA escuta e grava as chamadas telefónicas do telemóvel de Merkel desde 2002. Em 2008, quando a nova embaixada abriu, a NSA começou a utilizar técnicas mais sofisticadas que incluiam não apenas a sua escuta, mas também o seu seguimento. Merkel usa o seu telemóvel com mais frequência que o telefone fixo, e utiliza-o para comunicar com o marido e com os seus famíliares, com a liderança do seu partido e com os seus colegas e funcionários do governo alemão.

Ela também usa o telemóvel para falar com líderes estrangeiros, entre os quais terão estado o presidente George W. Bush e o presidente Obama. Pelo que se conclui que a NSA - que Bush e Obama ilegal e inconstitucionalmente autorizaram a obter e a conservar cópias digitais de todas as conversas telefónicas, mensagens de texto e e-mails de toda a gente nos EUA, bem como de centenas de milhões de pessoas na Europa e na América Latina - tem escutado os telefonemas de ambos os presidentes americanos sempre que estes conversaram com a chanceler.

Poder-se-ia entender a propensão da NSA para escutar as conversas daqueles líderes estrangeiros que nos quisessem fazer mal. E seria de esperar que o fizessem. Mas o ímpeto em escutar a liderança dos nossos aliados não tem qualquer utilidade perceptível. Pelo contrário, alimenta a desconfiança entre as nossas nações e, no caso de Merkel, exacerba as memórias da Stasi que tudo via e tudo escutava, organização que era a versão alemã oriental da KGB que comandava o estado policial desde o final da II Guerra Mundial até ao seu colapso em 1989. Merkel foi criada na Alemanha de Leste e tem uma repulsa pessoal pelo conceito de estado de vigilância omnipresente.

Obama aparentemente não tem essa repulsa. Poder-se-ía pensar que ele não esteja contente com o facto de os seus próprios espiões o terem estado a escutar. Esperar-se-ia que ele tivesse conhecimento disso. Não por mim, afirma o general Keith Alexander, o director da NSA, que contestou alegações dos media segundo as quais ele informara Obama acerca da rede de espionagem da NSA na Alemanha no Verão passado. Ora, ou o presidente soube disto e nega-o, ou ele é insuperavelmente ignorante quanto às forças que lançou sobre nós e sobre si mesmo.



Quando Susan Rice, conselheira de segurança nacional de Obama, foi confrontada com tudo isto pelo seu homólogo alemão, ela começou por dizer-lhe que a Casa Branca iria desmentir aquela alegação. Depois, ligou-lhe para dizer que a Casa Branca não a podia negar, mas que o presidente desmentiria ter dela tido conhecimento pessoalmente.

Como é que chegámos aqui? Quais são as consequências de um presidente se espiar a si mesmo? O que significa isto para nós?

Nem Bush nem Obama observaram uma forte fidelidade à Constituição.

Eles partilham o ponto de vista de um outro estranho par de presidentes de partidos políticos opostos, Teddy Roosevelt e Woodrow Wilson, segundo o qual a Constituição não é a lei suprema do país como ela proclama sê-lo, mas antes uma orientação que liberta o presidente para fazer tudo o que não lhe é expressamente proibido fazer. Na era progressiva de há 100 anos atrás, essa atitude presidencial trouxe-nos a Reserva Federal, o imposto federal sobre o rendimento, a Lei Seca, a I Guerra Mundial, processos judiciais por opiniões críticas do governo e o início da moderna segregação racial pelo governo.

Na nossa era, essa mesma atitude trouxe-nos o Patriot Act, que permite que agentes federais emitam os seus próprios mandados de busca, a contracção de empréstimos sem fim por parte do governo - incluindo os 2 milhões de milhões de dólares que Bush pediu emprestados para a guerra no Iraque, um país que é agora menos estável do que antes da invasão de Bush, e os 7 milhões de milhões de dólares que Obama pediu emprestados para redistribuir - e uma NSA que monitoriza todos os americanos permanentemente. No caso da espionagem da NSA, ela chegou através de ordens secretas de Bush e de Obama, animadas pela preversa visão TR/Wilsoniana da Constituição e não por votação do Congresso após um grande debate nacional.

Tal como as pessoas mudam [o seu comportamento] quando sabem que estão a ser vigiadas, o governo muda quando sabe que ninguém o consegue vigiar. Tal como nunca conseguimos ser nós mesmos quando tememos ter que justificar os nossos pensamentos mais íntimos a um governo que tudo sabe, do mesmo modo, também, o governo sabe que quando não conseguimos ver o que ele está a fazer, ele pode fazer o que quiser. E é da natureza do governo expandir-se, não encolher. Thomas Jefferson previu isto correctamente há 175 anos.

Mas espiar-se a si mesmo é algo de verdadeiramente asinino e talvez criminoso. Veja-se que o presidente pode oficialmente desclassificar quaisquer segredos que pretenda, mas não pode - sem uma desclassificação oficial - simplesmente revelá-los aos agentes da NSA. Apenas podemos imaginar o que os agentes da NSA terão ficado a saber das escutas a Bush e a Obama quando estes falaram com Merkel e com 34 outros líderes estrangeiros amigáveis, por enquanto ainda não identificados publicamente.

Agora sabemos quão generalizada é a espionagem da NSA: ela não só chega ao Supremo Tribunal, ao Pentágono, à CIA, à polícia local e aos telemóveis e às casas de todos os americanos; chega à própria Sala Oval. Todavia, quando o presidente nega que ele sabia disto, essa negação leva-nos a colocar mais perguntas.

O presidente afirma que pode iniciar guerras secretas no estrangeiro através da CIA, matar americanos secretamente por meio de drones e, agora, espiar secretamente qualquer um em qualquer parte [do mundo] através da NSA. Será o presidente o ingénuo inconsciente num ninho secreto de espiões governamentais descontrolados e de assassinos? Ou será ele um secreto gestor da minúcia, megalomaníaco e totalitário que mente regular, consistente e sistematicamente sobre o papel do governo nas nossas vidas?
O que será pior? O que vamos fazer quanto a isto?

2 comentários:

JPRibeiro disse...

Posted on October 31, 2013 by Martin Armstrong
Reply


The latest leak from Snowden is that the NSA has been illegally hacking into the links between centers used by Google and Yahoo. Gen Keith Alexander told Bloomberg TV: “We are not authorized to go into a US company’s servers and take data.” However, here is where you have to read each word carefully to see the deceit. Hacking into the cables linking companies is not what he addressed. He said it is illegal for them to “go into a US company’s servers” while hacking into the trunk lines as they do to grab all phone calls in Europe is TOTALLY different from entering a company directly.(see BBC).

The NSA claim that no one is “listening” to your phone calls or reading them is just total nonsense and has misinformed everyone. If nobody is doing this then why grab everything in the world? Computers go through this data and then highlights for some HUMAN to review what it finds. Our system do this with the global economy. To say “nobody” is reading your emails is simply not true. A computer can read them, understand what you are writing, and then inform others. But worst of all, they are storing everything they collect forever. So they can and WILL put your name in for a tax audit and everything you have written in an email or said in a phone and HSBC is now creating a worldwide data base of all clients so they themselves will know where you have all accounts globally and you can bet that will go to the NSA, There is no privacy left any more in anything. But this is destroying the global economy as world trade is now in a bear market. The more they hunt money internationally, the more they are causing the economy to collapse. They are destroying the goose that laid the golden egg. This has got to stop!!!!!!

The culture inside the NSA is rotten to the core. If they cannot do something legally, they create ways around it to achieve the same ends. This is like hiring someone to kill an adversary and then denying you kill him. Technically this may be true. But you cause someone else to do the job.

I have worked with various entity structures over my career. The ONE true maxim I can create is REFORM always fails. Why? Firing the figure-head does nothing. It is the culture at the core that is wrong and it will not matter who you put in charge, the body beneath the head will still be in place and will NEVER change.

This is clear from just observing Presidents. Whatever they say to get elected does not matter. They are simply a figure-head and soon you will see that the head changes to merge with the body. Look at what Obama said regarding increasing the Debt Ceiling. It sounded like he was independent and a member of the Tea Party rather than Democrats. On Obama’s stand AGAINST the NSA and how it acted under Bush is a prime example.

Martin Armstrong:

This is not that Obama as a “person” cannot be trusted. This is HOW the system works. People focus on Obama and say he is a liar. But this is the SYSTEM for we replace the FIGURE-HEAD but we do not change the SYSTEM. There is absolutely NO HOPE whatsoever that if you replaced Gen Keith Alexander or Mr. Clapper who acts like a 5 year old saying I do it because they do it, that you will somehow REFORM the NSA. That is the bait-and-switch game to make you THINK something is done, but ABSOLUTELY nothing will change.

Through my many years of observation in government and the corporate world, the only thing that works is you have to raze it to the ground and begin 100% completely new. NO ONE who works there now can ever work in the new agency ever!!!!! If you take in old employees, they will soon do the same thing. You have to actually eliminate the entire cancer cell if you hope to honestly get rid of the problem.

Antonio Cristovao disse...

a eficiencia alemã vem já aí a caminho. Que se cuidem os paranoicos ingleses e americanos. Para ajudar vai ser secundado por uma grande lider dos Bric : Dilma
E talvez para complicar o panorama vejo os chineses a embicarem um poucomais os olhos e o pragamatismo tradicional a apurar-se.