quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Maravilhas do planeamento central social-democrata (2)


4 comentários:

Filipe Silva disse...

Fico pasmado com o que está a ocorrer hoje em Portugal.

O Estado hoje tem mais controlo sobre a economia do que no tempo da ditadura.

Não vivi nesse tempo por isso não posso falar muito, mas sendo Eu da opinião que para sermos verdadeiramente livres, temos de ser financeiramente independentes, hoje existe muito pouca liberdade.
Verdade que dizes mal e falamos sobre o actual estado de coisas sem medo e receio de ser presos, mas é normal, empresas por exemplo com dividas a receber do Estado, terem receio de acusar o Estado disso, com medo de represálias.
Gostava de poder ter acesso a mais informação sobre como era a vida na ditadura, principalmente a nivel economico, mas hoje é dificil a esquerda não o permite, se alguem fala daquele tempo é logo apelidado de fascista e mais não sei o que.
Quando as ideologias que promovem mataram milhões em todo o mundo.
Uma coisa que me perturba é como é que determinadas pessoas que se dizem liberais, o Gaspar afirmou ser monetarista (seguir as ideias de Milton Friedman) consegue ter o desplante de fazer a afirmação que citas.
Chegam ao poder e vira tudo Neo comunista.

O plano do governo vai falhar, e vai falhar miseravelmente porque o planeamento central não funciona, é impossível prever o comportamento que milhões de pessoas vão ter a determinadas medidas levadas a cabo pelo planeador, existe uma característica humana que o impede a criatividade.

Os planeadores são humanos, e como humanos tem a tendência a ver as situações pelos seus olhos, pelos seus valores, as suas concepções de justiça, etc... coisas que serão muito diferentes de pessoa para pessoa, levando a que falhem.

Nem em ditadura é possível o planeamento central, como se constatou na história da humanidade

Anónimo disse...

Boa comparação nas duas citações. Apesar do que diz MFLeite, tenho dúvidas que optasse por fazer o absoluto contrário de Gaspar. Será que caminhava para diminuir, sem margem para dúvidas, o peso, o papel do estado? A seu favor MFLeite terá o facto de ter ido a eleições dizendo o que estava para vir e agora aí está com todo o seu peso, a sua injustiça e o seu carácter totalitário. Mas também deixou cair a frase da suspensão da democracia... enfim, será que já na altura lia Hans Herman Hoppe??? Isso seria absoluta surpresa.
Saudações,
Luís Vilela.

Eduardo F. disse...

Caro Luís Vilela,

São contundentes os pontos que enuncia. Tenciono, hoje mesmo, voltar a enunciar os meus ponto de vista sobre esta matéria e, nessa medida, procurar responder-lhe. Procurarei fazê-lo sem tergiversar.

Eduardo F. disse...

Caro Luís Vilela,

Esqueci-me de assinalar que há contas antigas por acertar (sem esquecer as relativamente mais recentes) entre Ferreira Leite e Passos Coelho. A ideia com que fiquei é que os juros entretanto acumulados ultrapassaram largamente o capital em dívida...